And I love you the best way I know how*

josephcampbell

Todos os dias, eu me esforço para levantar. Às vezes, tenho algum sucesso em sair inteira da cama, noutras, percebo que o corpo sai, mas a mente e a alma ficam sabe D’us onde.

Todos os dias.

Desde 2013, entrei em uma espiral de acontecimentos que, olhando de longe, só podemos chamar de vida, mas de perto, sendo afetada e vendo outras pessoas amadas atingidas, a amplitude fica bem maior. Ano passado foi pauleira. É impossível não me contaminar com o que está acontecendo desde então. Mas eu tento.

Todos os dias.

Ontem, um amigo ficou conversando comigo até tarde e falei para ele o quanto estava difícil não sucumbir ao vício. Estava salivando por fazer o primeiro corte depois de muito tempo. É bom conversar com quem não julga e não vem com lição de moral. Ele entendeu. E não fez cara de piedade, nem foi condescendente. Falei sobre o vazio. Tenho me sentido vazia.

Todos os dias.

E eu não me cortei.

Não importa o tamanho do buraco, preciso lembrar que sempre há alguém. Encaro o abismo, ele me encara de volta, mas se eu olhar para o lado, ali estará uma pessoa que pode me ajudar. Às vezes, essa pessoa é quem eu menos espero. Na verdade, é alguém que nunca espero.

Fui salva mais uma vez. Pelo amigo querido que me acompanha há anos. Pela promessa que fiz à amiga-irmã-filha-camarada (e não gosto de quebrar minhas promessas). Pela conversa com alguém que entende, ensina e aprende em igual medida, falando diretamente, sem rodeios e sem me tratar como uma incapacitada mental. Fui salva por alguém a milhares de quilômetros de distância de mim e que teve a sensibilidade de perceber que eu estava encarando o abismo por tempo demais.

E tem sido assim.

Um dia de cada vez.

Todos os dias.

*Siren Song, Bat for Lashes

Anúncios

Arm yourself because no one else here will save you*

Cassie
Cassie Ainsworth, personagem de Skins, 1ª geração

 

Em fragmentos.

Sinto-me vencida.

Pela vida, pelas pessoas, pelo mundo, pela História.

Acabamos aqui.

Não há por que esperar um fôlego novo.

Há contaminação em todas as partes.

Não há cartolas.

Não há coelhos.

A realidade matou a mágica.

A humanidade matou a lógica.

A razão enlouqueceu.

Sinto-me vencida.

Meus pares todos se perderam.

A minha mão não é boa,

Para esta partida ou qualquer outra.

As cartas estão viciadas.

Há fumaça em toda parte.

Ninguém sabe o que queima.

Ninguém se importa.

Fomos vencidos.

 

*You know my name, Chris Cornell.