“I knew the pathway like the back of my hand”

O assunto da terapia hoje foi solidão e luto. Tenho reclamado para minha amiga que nunca me senti tão sozinha. Sem ter com quem falar mesmo sobre as minhas coisas. Falei para a psicóloga que cogitei não ir hoje à sessão. Seria meu ato de rebeldia. Idiotice da minha parte, pois qualquer um pode ver que não estou na minha melhor fase.

Falei sobre a falta de empatia que ando sentindo, porque quero me proteger da incoerência do mundo. Falei sobre o desprezo. Sobre ser uma pessoa defeituosa e precisar de 3 comprimidos diferentes para conseguir passar pelos dias sem danos maiores. Falei da quase briga com a dentista que me desautorizou na frente da minha filha. E eu só não bati boca com ela, porque eu não estava falando naquele dia. Se qualquer palavra saísse da minha boca, eu desataria a chorar.

Choro todas as noites antes do remédio para dormir fazer seu efeito. Consigo ser pragmática na maioria das situações, mas não consigo lidar com tudo que aconteceu essa semana, que foi no mínimo horrorosa.

Eu sabia o caminho. Agora preciso de um novo mapa.

“you never can tell”

Quando a pessoa tem depressão e está atravessando uma crise é como se alguém tivesse desligado o sol. Por mais clichê que isso seja, a sensação é mesmo essa; pois há o frio, que vem de dentro para fora e não encontra quem ou o que o combata; e há a falta de cores que a ausência da luz provoca.

O mundo. As pessoas. As sensações. Os sentimentos. Tudo fica acinzentado e perde o contorno. É como se tudo escorresse e mesmo que você tente segurar alguma coisa, mantê-la consigo, é impossível, pois a depressão o transformou em uma peneira, na qual todas as coisas boas passam, só as ruins permanecem.

Uma pessoa deprimida geralmente não tem muitos amigos, pois afastamos a todos com nossa tristeza inenarrável e eterna melancolia. Então, tudo e todos que rodeiam a pessoa depressiva é de suma importância para vida dela. Quando uma dessas coisas é perdida, é como se o mundo inteiro tivesse que ser reconfigurado mais uma vez e, de novo, a pessoa deprimida precisa se encaixar nele de algum modo, pois há de se continuar vivendo.

Esse processo de se re-encaixar eternamente em um mundo em constante mudança é bem cansativo. Há dias, como hoje, em que fica muito difícil respirar. Há momentos em que não se tem mais força para batalhar diariamente por um pouco de ar, um pouco de cor, de luz, de som.

Chega uma hora em que se deixa de ser pessoa. Passa-se a ser um não ser. Existe-se. Do jeito que dá e do jeito que não dá também. Porque falta o ar, a luz, a cor e o calor, mas sobra dias e dias e dias e dias intermináveis.

Nessa semana, eu perdi uma das peças essenciais do meu quebra-cabeça.

E como dói existir sem uma parte do ser.

 

 

“When you say it’s gonna happen ‘now'”

Eu tenho depressão. Na verdade, tenho uma coleção de CID de ordem psiquiátrica, depressão é um deles. Fico atenta aos sintomas para ver quando uma crise forte está se aproximando. E um dos sintomas é o cansaço.

Sinto um cansaço que começa nas pernas, aí vai subindo pelo corpo e termina na última vértebra da minha nuca. Sem brincadeira. Eu sinto cansaço ali. E meu corpo parece querer ficar paralisado e briga comigo se tento me mexer para fazer qualquer coisa. E é nessa hora que aparecem os sintomas menores. Deixo de fazer as coisas mais básicas de forma consciente. E mesmo assim o cansaço aumenta. Paro de falar. Paro de querer comer comida de verdade. Fico à base de café com leite e pão com manteiga. E vou parando cada dia um pouquinho mais.

A única esperança absurda que nutro é ir desaparecendo aos pouquinhos, porque acho que ninguém sentirá minha falta se for assim.

SP3
She always reminds me of you.

“time is a flow of words coherent only in appearance, the one who piles up the most is the one who wins.”

“There was something unbearable in the things, in the people, in the buildings, in the streets that, only if you reinvented it all, as in a game, became acceptable. The essential, however, was to know how to play, and she and I, only she and I, knew how to do it.”  

Elena Ferrante, My Brilliant Friend

A saga napolitana foi a melhor coisa que li entre o fim de 2015 e começo de 2016. Talvez todos os seus livros estejam entre os melhores e mais impactantes que li na minha vida, e não foram poucos os livros que li.

São quatro volumes que descrevem um processo bem interessante de despersonalização, mimetização e personalização que envolve, ao meu ver, as três personagens mais importantes da história. (Destaco que a cidade, o bairro, o stradonne, as relações entre as máfias menores que dirigiam o bairro, formam, mais do que o pano de fundo do enredo, uma outra personagem, densa, redonda, que pontua, modifica, faz avançar e regredir a história, intrometendo-se, mas nunca se sobressaindo, deixando claro que as pessoas são organismos vivos que vivem ou não sua condição através do meio.)

Os títulos dos volumes contam uma história por si só. Primeiro, há a Amiga Genial, descrita por uma menina que tem como único atributo digno de nota a sua inteligência, que não é fruto de nenhuma genialidade, e sim de um trabalho árduo, repetitivo e chato. Elena, ao se dar conta que a amiga, que só vai se definir como tal depois de muitas vivências compartilhadas, é muito mais inteligente que ela, sente-se completamente perdida de si mesma. Passa a contar suas bênçãos que poderiam fazer frente à genialidade que a amiga parece desprezar, ao mesmo tempo, que almeja se fundir a ela e roubar para si tudo que lhe falta.

A história do novo sobrenome, ao meu ver, é o volume fundamental de toda a saga, pois nos dá a dimensão de Lila, que começa a passar pelo processo que ela chama de desmarginalização, sente que está perdendo os contornos de si mesma. Elena não compreende como, vivendo em uma situação de luxo, acima e aparente imune ao bairro, à cidade, às picuinhas familiares, a amiga se vê diluindo-se no mundo que ela não reconhece.

Aqueles que foram e os que ficaram (tradução minha) marca a separação da relação simbiótica das duas, onde se acentua o processo de despersonalização de uma e personalização de outra. Elena se encontra. Lila se perde no emaranhado de tudo que ficou para trás. Os poucos momentos em que ela passa a ser uma pessoa novamente se dá por meio da interação com outras pessoas, com frequência, aquelas que ela não pode ter.

O último livro, A história da criança perdida – também tradução minha -; fecha a saga com uma ambiguidade fenomenal. Há uma criança. E há a criança. E as duas se perdem.

Disse acima que eram, ao meu ver, três personagens interessantes. A terceira é Afonso que se ocupa do processo dolorido de mimetização. Não conseguiria falar sobre ele sem dar spoilers, mas de todas as personagens foi a que mais me atraiu do ponto de vista psicológico.

No jogo que essas três personagens jogaram houve mortos, feridos, perdidos e abandonados. Ninguém venceu.

While you smile like a friend

You are that last drink I never should have drunk

You are the body hidden in the trunk

You are the habit I can’t seem to kick

You are my secrets on the front page every week.

You are the car I never should have bought

You are the train I never should have caught

You are the cut that makes me hide my face

You are the party that makes me feel my age.

 Like a car crash I can see but I just can’t avoid

Like a plane I’ve been told I never should board

Like a film that’s so bad but I gotta stay ‘til the end *

Lembro-me das suas pernas nuas, colocadas para cima, enquanto você lia algum livro e eu ficava parada, sentada naquela poltrona do outro lado do quarto minúsculo, pensando que você era a coisa mais linda que eu já tinha visto.

Você brigava com seu cabelo vermelho tingido e me dizia que a culpa era do sono, que a fez dormir, antes que o cabelo secasse. Eu falava que tanto fazia, seu cabelo era o indicativo do seu humor. Você ria e falava que provavelmente eu estava certa, mas que essas certeza só se aplicava ao mundo das ideias, então de nada valia na carne.

Teve o dia em que colocamos o colchão na varanda do apartamento e dormimos do lado de fora só porque sim. Eu lhe contei dos meus medos, que eram tão novos e já tão grandes. Você me chamou de boba e disse que a vida era meramente um acaso.

Você foi meu acaso.

E, naquele dia, seu cabelo todo transtornado, caindo em todas as direções, escondendo suas costas, suas pintas, suas costelas, seu corpo magro, disse-me que aquele instante era o fim.

Tão bonito, tão amargo e tão inesperado quanto o acaso.

*Like a Friend, Pulp

“When all else fails, give up and go to the library.”

O título acima foi retirado do último livro que li: Novembro de 63, de Stephen King (11/22/63 – título original), publicado no Brasil pela Suma de Letras, com tradução de Beatriz Medina.

E o que aconteceu de importante em novembro de 1963? O assassinato de JFK, que de certa forma simbolizou o fim da era dourada americana, do otimismo esperançoso. Com a morte de Kennedy e a ascensão de Lyndon Johnson à presidência, a caça anticomunistas se intensificou, bem como a ação estadunidense no Vietnã.

E o assassinato de Kennedy é o ponto de partida e chegada do romance de King.

Dentre todas as personagens, duas em especial se destacam: Lee Oswald, o assassino e o homem do cartão amarelo. A vida imaginada de Oswald é contada em detalhes e é precisa em criar o perfil de um assassino não tão convicto de sua tarefa, mas disposto a executá-la. O homem do cartão amarelo é a metáfora encontrada por King para explicar o próprio tempo e seus efeitos nas vidas e na História. São nuances, dicas que ele insere no texto e que no todo formam um belo conjunto de ideias sobre uma questão renitente: E se pudéssemos mudar o passado?

O doutor Brown diria que qualquer coisa que mudássemos criaria um paradoxo e influenciaria no continuun espaço-temporal. King lança mão de uma frase que se repete de tempos em tempos, na voz de Jake Epping/George Amberson, protagonista do livro: “O passado é obstinado. O passado se harmoniza”.

Assim, tendo ocorrido ou não o assassinato de JFK, o passado sempre daria um jeito de não interromper o continuun, fazendo suas remendas, seguindo suas regras. O que mudaria caso Kennedy não fosse assassinado? No livro deu para Jake saber. Na vida, temos de aprender a viver com toda nostalgia da palavra se.

O livro virou série, infelizmente disponível só para assinantes do Hulu.

E ao terminar o livro, fiquei com a impressão que ele fala mais sobre o Tempo e sua influência nas nossas vidas do que de uma das muitas tragédias que atingiram a família Kennedy.

This indecision’s bugging me

Minha psicóloga pediu que eu elaborasse uma lista do que preciso fazer. Ela acredita que assim eu terei alguma sensação de ordem, já que minha cabeça anda um caos. Não consegui fazer a tal lista.

Minha psicóloga anota as datas e horários de todas as minhas consultas com ela e com o psiquiatra em um papel, com letras grandes e coloridas, e pede para que eu deixe na porta da geladeira. Foi o que eu fiz.

Mas o caos na minha cabeça continua.

Mudaram minha medicação, nos primeiros dias fiquei muito sonolenta. Cortei pela metade a dose de um dos remédios. O sono excessivo passou, mas ainda tenho vontade de deitar e dormir. Sinto fadiga, minha memória falha, minha fala está prejudicada, não consigo pensar linearmente. Tudo isso são reações adversas da medicação. Sinto-me em Twin Peaks.

E o caos na minha cabeça continua, agora não consigo nem começar a elencar todos os pensamentos que tenho, pois estão todos borrados. Não consigo ser eu, seja lá quem eu for.

Uma vez, disseram que minha vida era poesia. Não consigo reconhecer a pessoa a qual pertencia essa vida. Só sei que não sou eu. Não pode ser eu.

Hoje, se minha vida fosse uma poesia, seria aquela que termina com “o beco”.